Visual Merchandising é uma das carreiras no mercado de moda

5 carreiras no mercado de moda

Quando falamos em mercado de moda, logo pensamos na profissão mais clássica e conhecida: o estilista ou, como muitos gostam, fashion designer. Mas a nossa área tem outras opções de atuação que vão muito além de criar peças e coleções. No Inside Fashion de hoje vamos falar sobre cinco carreiras diferentes em moda. A ideia é abrir os horizontes de quem quer entrar no ramo ou pensa em se especializar.

 

Caminhos no mercado de moda

Existem tantas possibilidades de trabalhos dentro desse universo que fica difícil escolher sobre o que falar. Escolhi cinco carreiras que saem do óbvio, mas que podem se tornar opções interessantes dentro de um mercado competitivo e cada vez mais exigente.

 

1) Consultor de estilo

Já falei aqui no blog sobre essa profissão, que se popularizou nas redes como personal stylist. Basicamente, se trata de um especialista em traduzir a identidade de uma pessoa na sua forma de se vestir e se apresentar para o mundo. É importante lembrar que isso é diferente de uma consultoria de moda, como eu explico neste texto.

 

O consultor de estilo estuda todos os aspectos da vida do cliente, desde seu guarda-roupa, tom de pele, tipo de cabelo, características do corpo, preferências e rotinas para construir um estilo pessoal adequado. No começo, esse mercado era restrito a famosos e celebridades, mas hoje esse serviço se tornou mais acessível. A demanda cresceu, já que pessoas não ligadas ao meio artístico passaram a se interessar por esse tipo de consultoria.

 

Não dá para falar de personal stylist sem lembrar da fada dos tapetes vermelhos, a super Rachel Zoe. Ela, que já vestiu estrelas do top de Cameron Diaz, Anne Hathaway, Jennifer Lawrence entre outras divas, ficou tão famosa que virou marca, desfila sua grife na New York Fashion Week e tem até série de TV! Certamente inspirou muita gente e tornou o trabalho do personal stylist ainda mais conhecido e desejado.

 

Rachel Zoe é uma das referências no mercado da moda
By Christopher Macsurak (Flickr: Rachel Zoe arriving at DVF show.) [CC BY 2.0], via Wikimedia Commons

 

2) Cool hunter

A tradução do termo em inglês fica algo como “caçador de tendências”, e é bem isso que o cool hunter faz. Sua função é pesquisar e analisar as principais novidades para prever comportamentos e trazer inovação para negócios e produtos.

 

Esse trabalho exige também uma boa dose de intuição, já que o cool hunter precisa antecipar o que vai bombar e fazer suas apostas com base em tudo o que vê por aí. Estamos falando então de um profissional curioso, com olhar atento, observador, sensível. Mas, sobretudo, informado, com uma capacidade de pesquisar passado, entender os movimentos históricos e comportamentos de consumo, cruzar os dados da sua pesquisa com o que se vê no presente e, assim, conseguir antever comportamentos futuros.

 

Parece difícil? E é. Por isso o coolhunter é cada vez mais valorizado no mercado.

 

O público-alvo desse serviço em geral são marcas, empresas e projetos específicos no universo da moda. Poucas são as empresas que têm em seu quadro um cool hunter. Elas geralmente contratam outras empresas, que são agências de tendências, que por sua vez fornecem pesquisas dos cool hunters.

 

Pensando em referências, mais do que pessoas, temos coletivos bem interessantes, como o Cool Hunting, um site nova iorquino super premiado e conceituado, e a WGSN, uma verdadeira biblioteca online de tendências.

 

3) Fotógrafo de moda

Agora todo mundo se arrisca um pouco no mundo da fotografia, né? Mas para ser fotógrafo profissional e entrar no mercado de moda é preciso ir muito além dos filtros do Instagram. A missão desse profissional é traduzir em imagens a identidade visual de uma marca ou produto.

 

Para isso, é preciso ter bastante conhecimento técnico, que inclui iluminação, composição de imagem e manuseio dos equipamentos. Outra habilidade importante é um olhar sensível carregado de senso estético e, claro, uma boa noção da área de moda sempre ajuda nesse quesito. É a partir desse olhar diferenciado que se poderá chegar ao resultado artístico que as fotos de moda necessitam.

 

O fotógrafo que se especializa em moda fica apto a realizar trabalhos para revistas, editoriais de moda e beleza, fotos para agências de modelo, entre vários outros trabalhos relacionados ao mercado.

 

Uma das referências em fotografia de moda que eu destacaria é o gaúcho Jacques Dequeker, que já recebeu prêmios da ABIT, a Associação Brasileira da Indústria Têxtil, e da Bienal de Fotografia de Roma. As fotos são mágicas, impactantes, definitivamente artísticas e possuem um DNA próprio. Eu amo!

 

Capa da Vogue por Jacques Dequeker

 

Também não poderia deixar de falar do Leo Faria, fotógrafo que despontou mais recentemente, mas que vem causando no meio. Além do talento, o mais legal na trajetória dele é como ele conseguiu enxergar os novos caminhos da moda de hoje, totalmente conectada às redes sociais e às influenciadoras. O trabalho dele é marcado por fotos incríveis de street style, dos looks usados nas semanas de moda, tudo aquilo que vem ganhando cada vez mais relevância e acaba por virar referência para milhares de seguidores espalhados pelo mundo. 

 

 

4) Negócios da moda

Essa é uma área bem vasta voltada para o inside fashion. Envolve toda a parte administrativa e de gestão das marcas e lojas, como cadeia de compras, planejamento de coleção, calendário, venda direta, pesquisa de mercado. Antigamente, não existia formação específica para o profissional que quisesse trabalhar em uma empresa de moda. As formações eram mais genéricas, como uma graduação em Administração, por exemplo, e o aprendizado a respeito das especificidades da indústria acontecia na prática, já dentro das empresas.

 

O mercado percebeu essa necessidade de profissionalização e embasamento de negócio, por isso hoje existem cursos que abordam essas características mais específicas das empresas de moda. É uma formação ampla que possibilita uma atuação diversificada em diferentes funções dentro do mercado de moda.

 

5) Visual Merchandising

Experiência é tudo hoje em dia. Ninguém mais quer só uma peça de roupa ou só um produto. O consumidor ficou exigente e, portanto, a onda agora é proporcionar ao cliente uma experiência de consumo completa, sensorial, agradável e que seja memorável. Daí a importância do profissional de visual merchandising dentro do mercado de moda. É ele que prepara todo ambiente da loja, desde a vitrine, os expositores, o clima da coleção, pensa nos mínimos detalhes para envolver e tornar aquele momento o mais agradável possível.

 

Estudos já provaram que essa preparação do local aumenta muito as chances de compra, porque chama a atenção do consumidor e entrega uma vivência sensorial junto com o produto. Então, atenção a esse ramo, pois são inúmeras as possibilidades de atuação e crescente a demanda por profissionais capacitados.

 

Não dá para falar em visual merchandising e não lembrar da Selfridges. As vitrines são parada obrigatória na Oxford Street para qualquer um que goste de moda! São sempre tão impactantes e bem elaboradas! Lindo de se ver.

 

Aliás, a história da icônica loja de departamentos do Reino Unido está recheada de capítulos memoráveis de visual merchandising. Em 1909, quem entrava na loja dava de cara com um avião! O monoplano usado por Louis Blériot na primeira travessia do Canal da Mancha ficou lá exposto para mais de 12 mil clientes. Depois, entre 1920 e 1930 o telhado da loja ganhou espaços de convivência. Tinha campo de minigolfe e até um clube de tiro só para mulheres.

 

Mais recentemente, quem esteve à frente do departamento de visual merchandising da Selfridges por 18 anos foi Tony Morgan. Ele é uma grande referência na área e também autor de vários livros sobre o assunto.

 

Fachada da Selfridges, loja de departamentos no Reino Unido
Photo © Richard Croft (cc-by-sa/2.0)

Deu para perceber que o mercado de moda é um campo muito extenso de possibilidades, não é? E olha que esses são apenas alguns exemplos de carreiras a serem seguidas. Para cada habilidade ou interesse, existe um espaço diferente na nossa indústria.

E você, se identificou com alguma dessas profissões? Gostaria de saber mais sobre uma específica? Me escreve que a gente conversa!